POEMAS SACROS

POEMA I

Ofício do pedinte: pedir.
O que mais pode fazer?

Ofício do abastado: desprezar.
É o que sabe fazer.

Ofício de Deus: retribuir.


POEMA II

No livro de oração

O povo pede
O povo pede
O povo pede
O povo pede
O povo pede

O tempo passa.

Deus ouve.

O livro de oração se transforma:
Livro de canção e gratidão.

POEMA III

Respiração suspensa
Boca nervosa
Coração amiudado
Joelhos genuflexos
Esperança: avolumando e desavolumando:


À espera do mover de Deus.


POEMA IV

(A propósito do salmo 20)

Quem derrubou caiu
E não mais se levantou.
O caído se ergueu.

As pernas fortes bambearam
As rodas de ferro da carruagem de guerra quebraram
O cavalo forte empalideceu e faltou
E o fraco triunfou!
Com a ajuda de Deus triunfou.


POEMA V

(A propósito do Salmo 40)

Agora minha alma canta
Porque meu coração está alegre.
Já não tenho os pés na lama
O Senhor fez meus passos leve.

Tanto quanto proclamei minha dor
Proclamarei teus feitos Senhor.
Faça meu coração bondoso
Pra indicar a outros um final para o viver lastimoso.

Confiar em Ti com esperança
E não inventar a própria saída
É o mote feliz pra vida.

POEMA VI

(A propósito dos Salmos 42,43)

Como o pão que alimenta
E em mim vira força
Preciso dizer a minha alma
Que está tão abatida:
No Senhor está a força de que precisas.

Por que está tão abatida?
No Senhor está a força de que precisas.

Por que estás tão abatida?
No Senhor está a força de que precisas.

Por que estás tão abatida?
No Senhor está a força de que precisas.

No Senhor está a força de que precisas.
No Senhor está a força de que precisas.
No Senhor está a força de que precisas.
No Senhor está a força de que precisas

Porque estás tão abatida.


POEMA VII

(A propósito do Salmo 46)

O que faço eu
Se as montanhas se moverem
E se precipitarem no breu?

O que faço eu
Se a terra toda
Se revolver desnorteada como embriagada?

Se as ondas do grande mar
Se revoltar,
O que se fará?

Aquiete-se contudo
Eu serei seu escudo.

Responde sua indagação
Saber que eu Deus
Sou proteção?