quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Meu Fascínio

Para Valdelia Pereira Flor

O porte é de quem posa pra foto.
O gingado é intencionalmente serpenteado.
O cheiro é doce.
O cabelo esvoaçado como a palmeira agitada pelo vento.

Eu, um híbrido de abelha e beija-flor sou atraído por teu néctar.
Que nem viandante cansado busco a sombra no teu corpo de árvore frondosa.
O teu andar mais se assemelha a um levitar.

Pego o coador para um bom café. O cheiro que exala é o teu.
O sabor depois que o provo é o teu.
O pãozinho quente com manteiga exala vapor e aroma iguais ao teu.
E eu em tua mesa...

Lembro que fui ao jardim e vi um botão.
No primeiro dia ainda era um botão.
No segundo tomou forma de mulher.
No terceiro desabrochou por inteiro. Eras tu.
Tuas pétalas todas se remexiam acariciada pelo vento que te beijava
E o sol que te assistia.

Eu enciumado do sol e do vento que te beijava te colhi,
E hoje te trago na lapela esquerda.

Eu que moro perto do mar, me banho nele.
As ondas, descobri, são teus braços para os quais me jogo.

De onde vem todo esse poder de me fascinar, fascínio?