terça-feira, 29 de novembro de 2016

UM MOMENTO DE SILÊNCIO


Hoje que estou
Só comigo mesmo.

Tento retirar
Algumas palavras
Do fundo desse
Momento introvertido.

Observo detalhes.
Detalhes que noutro
Dia não teria
O mesmo valor
Que tem nesse
Momento meu
Comigo mesmo

Respiro o vento
Da noite na praça
Fria em que me 
Sento comigo 
Ladeado de árvores
Em silêncio vendo 
Pessoas passar.

Não é apenas gente
São pessoas carregadas
De detalhes como a 
Beleza da menina que
Em seus quinze anos
Aflora beleza
E a mulher madura
Acalentando o filho
No colo conversando
Com o marido assuntos
Sem importância e
Rindo.

Passa o soldado
Acompanhado
Do soldado armado
Guarnecendo somente
A paz do meu momento.

Os meninos que brincam
Na praça nem pensam
No tempo e fazem dele
Um tempo eterno e me
Aborrecem com barulho
Desnecessário quando
Eu achava que tudo deveria 
Estar à minha moda.

Percebi que não sei
Estar em silêncio e
Fico o tempo todo
Procurando o que
Fazer mas não querendo
Sair de meu momento
De reclusão.

Meu momento
De silêncio
Me faz valorizar
Detalhes que não
Veria noutro dia.

Tudo à minha volta
Está às voltas me
Convidando à pressa
Eu em mim mesmo
Olho como que de 
Longe o barulho.


Eu fico por aqui...