sábado, 26 de novembro de 2016

AS AVENTURAS DE LUIZ MIGUEL (1)

Meu filho de catorze anos chegou a casa com a voz cheia de entusiasmo mostrando os roxos do joelho e da perna e o corte na mão de um eletrizante momento com os amigos num parque improvisado de parkour.

Ouvia a narração lá do quarto onde eu havia estirado minhas pernas depois de um dia ocupado em provas da faculdade e tentando chegar o mais cedo possível a minha casa e os transportes coletivos públicos não ajudando.

A mãe vocifera no meio da narração: _ você vai acabar é fazendo todos nós corrermos para o hospital quando tirar o braço do lugar como seu irmão nessas brincadeiras de doido! A voz da mãe se alterou mais ainda quando em reposta o menino falou algo sem nexo com a situação proposta por ela. Acho por causa da adrenalina que ainda corria em seu corpo.

O parque estava dentro dele e não importava o que a mãe dissesse. Dentro da mente as lembranças se remexiam agitando ainda mais o compasso do coração. Foi obrigado a tomar banho se não ia para cama cheio de poeira, fuligem de carros, areia e uma mente agitada que fazia transbordar entusiasmo daquele momento eterno.

Na manhã seguinte ainda borbulhando a alegria daquele momento com os amigos foi ao quarto mostrar orgulhoso os roxos do joelho e das pernas e contar tudo de novo, eu havia acabado de chegar da compra do café da manhã, ele já me adiantava que hoje a aventura ia continuar.

Gosto de aventura ao ar livre, por isso fui contagiado pelo entusiasmo dele e me senti convidado a ir lá ao parque também. É mágico como alguns machucados trazem alegria, basta que sejam adquiridos no prazer de uma aventura com os amigos.

No dia seguinte um amigo chegou a nossa casa no horário do café da manhã e meu filho desata a contar tudo de novo, não havia nada mais importante para ele.

E a conversa continuava dessa vez me falando dos obstáculos colocados no parque. Percebi que era tudo improvisado e conclui como os prazeres não agendados tem em si a magia de nos proporcionar prazer.

A noite deve ter sido agitada; dessa vez de tão cansado que eu estava não acordei na madrugada como de costume e deva aquela espiadela nele enquanto dormia; mas julgo que a noite foi agitada porque é isso que acontece quando passamos por alguma experiência chocante em nossas vidas.

Oito horas da manhã, planos feitos. Agora era fazer trilha de bicicleta com a galera, tomar banho de piscina e voltar mais tarde.