terça-feira, 29 de novembro de 2016

AS AVENTURAS DE LUIZ MIGUEL (2)

As bicicletas não eram adequadas para aquilo. Pedalar em chão de cascalho e areia frouxa com altos e baixos, eram bicicletas comuns próprias para pequenos trajetos em ruas pavimentadas e em ritmo lento.
As idades eram bem diferentes. Somadas davam sessenta. Mas andávamos juntos, sentindo o ambiente, indo em direção da barragem de nossa cidade que dista de nossa casa uns seis quilômetros.
O horário também não era o melhor nem o mais adequado para quem pensa na saúde. O sol quente do meio dia, literalmente meio dia, quando o sol frita como o fogo frita a carne na frigideira a óleo quente.

Luiz Miguel cansado da agenda do dia anterior com banho de piscina, trilha de bicicleta nas matas que restauraram em nosso município que ainda não foram vítimas da urbanização, almoço fora de hora e mais e mais; apesar disso não rejeitou meu convite: vamos pedalar até a barragem?

Chegamos. Bicicletas debaixo de uma árvore, sentamos à sombra, sobre as pedras de seixo típicas de beira de rio, o vento fresco convidava a uma soneca e tínhamos o poder de dizer vou ou não vou entregar na água, decidimos que não, bastava ficar ali na companhia um do outro. A certo ponto decidimos voltar pra casa porque a fome nos convidava.

Pedalando com o mesmo sol da ida, devagar e conversando qualquer coisa recebi um novo convite. Ver a fonte de água que a população se reunia para retirar água boa de um poço profundo abandonado depois que passou a se vender garrafões de água adicionada de sais, água boa abandonada.

O vizinho do poço, um morador meu conhecido, assustou-se comigo e Miguel, ele não havia nos reconhecido e veio fechar o portão, puxamos conversa com ele que nos reconheceu depois e mostrou um carinho que deixou Miguel orgulhoso. Pai, faz cinco anos que o Edinho não me via e ainda lembrou de mim! Saiu com sorrido no rosto e vento na cara conversando miolo de pote comigo e eu com ele.

Novo convite. Conhecer um caminho novo que dava acesso a nossa casa, conversa sem importância, mas gostosa se travava entre nós ao ritmo da pedalada. Encontramos prazer num passeio meio improvisado, simples só pelo prazer da amizade um com o outro.


SISTEMA FECHADO



 A sociologia

A psicologia

A filosofia

A Psiquiatria

A geografia

A pedagogia

Não sabe fazer milagre

Não sabe repetir milagre

Em seus tubos de ensaios

O cientista

O laboratorista

O geneticista

O ginecologista

O oncologista



Não sabe fazer milagre

Não sabe repetir milagre

Em seus tubos de ensaio

O Marxista

O comunista

O capitalista

O socialista

O utopista

O fascista

O anarquista



Não sabe fazer milagre

Não sabe repetir milagre

Em seus tubos de ensaios


Logo, concluem os tais: NÃO HÁ MILAGRE.

Que vida besta essa dos ensaistas.

UM MOMENTO DE SILÊNCIO


Hoje que estou
Só comigo mesmo.

Tento retirar
Algumas palavras
Do fundo desse
Momento introvertido.

Observo detalhes.
Detalhes que noutro
Dia não teria
O mesmo valor
Que tem nesse
Momento meu
Comigo mesmo

Respiro o vento
Da noite na praça
Fria em que me 
Sento comigo 
Ladeado de árvores
Em silêncio vendo 
Pessoas passar.

Não é apenas gente
São pessoas carregadas
De detalhes como a 
Beleza da menina que
Em seus quinze anos
Aflora beleza
E a mulher madura
Acalentando o filho
No colo conversando
Com o marido assuntos
Sem importância e
Rindo.

Passa o soldado
Acompanhado
Do soldado armado
Guarnecendo somente
A paz do meu momento.

Os meninos que brincam
Na praça nem pensam
No tempo e fazem dele
Um tempo eterno e me
Aborrecem com barulho
Desnecessário quando
Eu achava que tudo deveria 
Estar à minha moda.

Percebi que não sei
Estar em silêncio e
Fico o tempo todo
Procurando o que
Fazer mas não querendo
Sair de meu momento
De reclusão.

Meu momento
De silêncio
Me faz valorizar
Detalhes que não
Veria noutro dia.

Tudo à minha volta
Está às voltas me
Convidando à pressa
Eu em mim mesmo
Olho como que de 
Longe o barulho.


Eu fico por aqui...

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Um pé de que?

  
O pé das árvores não anda.
O pé da frente nem sempre está na frente.
O pé de trás nem sempre está atrás.
O pé da mesa são quatro.
Será por isso que ela não cai?

Tudo tem um pé?

Um pe de arroz.
Um pe de feijão.
Um pe de emprego.
Um pe de amor.
Um pe de compreensão.
Um pe de carinho.
Um pe de afeição.
Um pe de respeito.
Um pe de fora ladrão!
Um pe de silêncio.
Um pe de explicação.
Um pé de cama deixa as pernas bambas.

Será mesmo que tem pé pra tudo?

Será mesmo que tem pé sem cabeça?

Não. Mas tem conversa sem pé nem cabeça.

Maria queria só um pezinho pra namorar.
Depois queria só um pezinho de nada pra separar.


Será mesmo que tem pé de tudo?

O DIA DO AMOR

Hoje o amor acordou comigo
Saiu para trabalhar
Deixou seu aroma
Uma doce lembrança

E o desejo em mim de que volte logo.

A DANÇA DA VIDA


A mulher passa a roupa
Que vai ficar passada
O homem passa o tempo
Que vai ficar passado.

Tudo fica passado.

MEU TRANSE



Olha nos meus olhos.
Me responde por quê:
Eu tão carente e
Você tão segura.

Me diz de onde
Vem essa impressão
Que você tem gosto
Doce que não enjoa?

Me diz de onde
Vem essa sensação
De ti achar palatável?
Macia
Crocante
Picante...

Me diz de onde
Vem essa sensação
Que todos os cheiros
Cheirosos da natureza
Saem de ti?

Eu poderia ser
Só um pouco atrevidinho
E pedir um lugarzinho
Nesse teu colo macio,
Cheiroso e ficar ali
Quietinho até dormir?

Juro, fico quietinho.
Como um menino que jura
Que não vai pegar o doce
Esquecido em cima da mesa.

Me dá um friozinho
Na espinha só de ver
O mover desses teus lábios.

O que tem nesse batom
Que deixa gosto
E nenhuma vontade
De separar os meus
Dos teus lábios?

Dá pra baixar a guarda

Só um pouquinho, Senhora?

A CAIXA DE PANDORA



Na Caixa de pandora
Continha todos os males
Do mundo.

Tantos Mais
Tem o coração
Do Homem.


Pandora ficaria surpresa.

A MENINA DA PADARIA


Bom dia
Não disse ela
com palavras.

Disse
com um largo sorriso
logo de manhã cêdo.

Seu dia
havia começado
Cêdo.

O meu somente
logo mais.

Mas foi ali
que ganhei o dia:
no balcão da padaria.

Sempre volto ali
pra levar pão
e alegria

no balcão da padaria.

Em tudo há poesia


A Casa

Ainda não inventaram uma casa que não precise de faxina e manutenção.
A minha mesmo está sempre precisando.
De tempos em tempos preciso cortar o cabelo.
Fazer a unha.
Esfoliar a pele.
Tomar um banho mais demorado.
Passar um gel na barba.
Balancear a alimentação.
Lavar a roupa.
Ir a um restaurante.
Curtir uma praia.
Dormir até mais tarde.
Viajar.
Ler.
Sorrir.
Gastar além da conta (de vez em quando).
Pedalar sem rumo e sem hora.
Jogar conversa fora.

Ver amigos.

sábado, 26 de novembro de 2016

VAMOS SEGREDAR?

Me
Conta
Um
Segredo?

Me
faz
Teu
Confidente,

Me
Faz
Ser
Teu
Por
Inteiro.

Me
Conta
Um
Segredo?

LUGAR ERRADO

Ai, que preguiça de falar!
Enquanto à minha volta pessoas
Têm preguiça de fazer silêncio.
Preguiça de falar e percebo
Tantas palavras soltas ao vento.

Ops.! Entrei no lugar errado...

AS AVENTURAS DE LUIZ MIGUEL (1)

Meu filho de catorze anos chegou a casa com a voz cheia de entusiasmo mostrando os roxos do joelho e da perna e o corte na mão de um eletrizante momento com os amigos num parque improvisado de parkour.

Ouvia a narração lá do quarto onde eu havia estirado minhas pernas depois de um dia ocupado em provas da faculdade e tentando chegar o mais cedo possível a minha casa e os transportes coletivos públicos não ajudando.

A mãe vocifera no meio da narração: _ você vai acabar é fazendo todos nós corrermos para o hospital quando tirar o braço do lugar como seu irmão nessas brincadeiras de doido! A voz da mãe se alterou mais ainda quando em reposta o menino falou algo sem nexo com a situação proposta por ela. Acho por causa da adrenalina que ainda corria em seu corpo.

O parque estava dentro dele e não importava o que a mãe dissesse. Dentro da mente as lembranças se remexiam agitando ainda mais o compasso do coração. Foi obrigado a tomar banho se não ia para cama cheio de poeira, fuligem de carros, areia e uma mente agitada que fazia transbordar entusiasmo daquele momento eterno.

Na manhã seguinte ainda borbulhando a alegria daquele momento com os amigos foi ao quarto mostrar orgulhoso os roxos do joelho e das pernas e contar tudo de novo, eu havia acabado de chegar da compra do café da manhã, ele já me adiantava que hoje a aventura ia continuar.

Gosto de aventura ao ar livre, por isso fui contagiado pelo entusiasmo dele e me senti convidado a ir lá ao parque também. É mágico como alguns machucados trazem alegria, basta que sejam adquiridos no prazer de uma aventura com os amigos.

No dia seguinte um amigo chegou a nossa casa no horário do café da manhã e meu filho desata a contar tudo de novo, não havia nada mais importante para ele.

E a conversa continuava dessa vez me falando dos obstáculos colocados no parque. Percebi que era tudo improvisado e conclui como os prazeres não agendados tem em si a magia de nos proporcionar prazer.

A noite deve ter sido agitada; dessa vez de tão cansado que eu estava não acordei na madrugada como de costume e deva aquela espiadela nele enquanto dormia; mas julgo que a noite foi agitada porque é isso que acontece quando passamos por alguma experiência chocante em nossas vidas.

Oito horas da manhã, planos feitos. Agora era fazer trilha de bicicleta com a galera, tomar banho de piscina e voltar mais tarde.


quarta-feira, 23 de novembro de 2016

UMA CANTADA BESTA

Minha Tv. Está com você
Minha cama você levou
Meu lençol favorito foi no meio de suas coisas
Na partida, talvez por engano ou por maldade mesmo
Você levou você de mim
E deixou saudade.

Já que tudo
De um pouco valioso pra mim
Foi com você
Fiquei pensando:

Posso ir aí
Ver Tv. Contigo
Deitar na minha cama
Aquecer-me com meu lençol
Matar a saudade?

Eu levo óleo
Pipoca

A gente faz um programa…

LUIZ MIGUEL – O MENINO QUE FEZ NEVAR NO NORDESTE


Nordeste é terra de cabra da peste.
De gente que sabe viver.
É daqui um moleque
Como se diz por aqui, um pivete
De floridos doze anos
Que de sabido tem muito mais que isso
Que chover não sabe fazer
Mas pra fazer nevar é bem sabido

Nevar no Nordeste?
Isso mesmo. Obra de um sabido pivete
Acreditem! Sou nordestino. Não minto
Mas também não desminto o contado.
Conto a história e dou por confirmado.

Menino nordestino que é
Bem cedinho me chamou
Me contou de mansinho o que sonhou:
Sonhou que nevava no Nordeste

Asseguro que não é invenção
Ele até acordou e pegou um flocão
Fez um boneco de neve
Jogo bolas brancas de neve nos colegas
Correu, brincou e até esquiou na neve.

Eu como pai da história não duvido
Nem de uma letra. Não sou besta
Menino nordestino é cabra que tem tino
Sabe como fazer.

Pra fazer nevar no Nordeste
Neste torrão abençoado
Basta dormir e sonhar
Que a neve vai cair
E quando ela cair correr, pular
Brincar, se divertir.

Moleque no Nordeste
É mesmo cabra da peste
Faz até nevar

E olhe olhe de quem duvidar!

A FORÇA DA RAIZ


Instrui as minhas mãos para a peleja, de maneira que um arco de cobre se quebra pelos meus braços (2 Samuel 22:35).

Não entendemos
Pouco percebemos a força
Da raiz que quebra o chão
Que calmamente se liberta
Do que a quer deter na prisão

Pequena raiz
Dotada de força descomunal
Que não grita não geme
Mas vence o mal

Deus misterioso
Senhor habilidoso
Escondeu a força
No coração da raiz

O que me faz ter a visão
Que o guerreiro Davi
Estava certo em dizer:

(Deus) Prepara as minhas mãos
 De maneira que um arco
(de cobre )

Se quebra pelos meus braços.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

BIRRA DE NAMORADOS

Namorado: Se eu te desse cartaz que tamanho você queria, amor?
Namorado: Eu penso em algo do tamanho de um outdoor.
Namorado: Você acha que estaria bom de tamanho?
Namorado: E eu ainda exporia num lugar onde passam muitas pessoas
Para que todos vissem.
Namorado: Você acha exagerado?
Namorado: Eu não acho. Me inspirei em Cazuza na música
Exagerado, jogado a teus pés eu sou mesmo exagerado.
Namorada: Ah! mas isso foi o Cazuza.
Namorado: E só ele pode ser exagerado no amor.
Um reles mortal como eu não pode?
Namorada: Mas é que eu fico meio sem jeito de receber cartaz tão grande.
Namorado: Ora, mas é só por isso?
Namorado: Então me recolho à minha insignificância.
Namorada: Mas também não precisa ser tão radical assim!
Namorado: Então decida-se!

Namorado: Que tamanho de cartaz você quer que eu te dê?

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

ESTÁ TUDO QUIETO AQUI DENTRO

Espia estou quieto
Aqui dentro
Rede armada
Um programa caipira
Uma comidinha simples
Espia está
Tudo quieto

Aqui dentro…

EU ANDEI DE TREM

Eu andei de trem
Barulhento sobre os trilhos
Gente conversando
E o trem dançando
Passava de estação em estação
Balançando e admirando
Cheguei a Estação da Prima-Vera…
O trem sobre os trilhos
Balançando seguia apitando
Avisando: cuidado com a vida!
Estamos chegando
Trazendo alegria.
O trem dançando
Passava de estação em estação
Cheguei à estação da Prima-Vera…
A vida não é só de flores
Mas na vida tem muitas flores
O trem dançando
Passava de estação em estação

Cheguei à estação da Prima-Vera…

LAMENTAÇÕES DE JEREMIAS

Quando são pequenos
Os ensinamos e os
Colocamos no caminho
Ficam ali quietinhos
Sem se desviar do caminho

Mas eles crescem
Pensam que podem
Reinventar o caminho

E vão se desviando
Aos pouquinhos
Pensando estarem
Todos certinhos

Vão aqui e acolá
Alguns para não

Mais voltar…

A VIDA

A vida passa
Bem aqui do lado
Aqui dentro balança
Se apressa e se aquieta
Ela é boa

Ela voa.

A FLOR DO PENSAMENTO

Uma flor ao vento
É o pensamento.
Queda pra lá e pra cá
Captura tudo num momento
Depois descansa
Num outro pensamento.

A VINHA MALVADA DO SENHOR (Isaías 5.1-7)

Porque a vinha do Senhor dos Exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta das suas delícias; e esperou que exercesse juízo, e eis aqui opressão; justiça, e eis aqui clamor (Isaías 5.7).

A terra cultivada
A semente preparada
Terra e semente
De qualidade inigualada
Deve dar resultados
De tal modo surpreendente.

Não é assim a lei
Da semeadura com fartura?
Mas o agricultor perde a compostura
Quando espera qualidade e fartura
E recebe de sua semente
Qualidade diferente.

O Senhor (Deus) adquiriu uma vinha
A encheu de vides escolhidas, preferidas
Limpou, aguou, cuidou
Esperava desse uvas de qualidade
Mas eis a verdade
As uvas eram de maldade.

Jerusalém e Judá
Deram uvas bravas
Suco de maldade
Quando deviam ter brotado
Justiça e santidade
Inverteram a ordem natural
E se decidiram pelo mal.

Por tão deliberado ato de estupidez
O senhor indignado se fez
Resolveu punir com avidez
Tamanho ato de mesquinhez
(ato de ingratidão)
Retirou do povo sua atenção
Seu cuidado
O fez servir de pasto
Ser pisado e maltratado
Por ato de irracionalidade
(e maldade)
Insanidade deliberada

Ação previamente pensada.

MUNDO PLÁSTICO


Queria fazer um curso
De fotografia
Diferente.
Fotografia da alma
Da gente.
É impossível?
É que no exterior
É tudo tão zem tão bem
Que me desafio a pensar além.

Quero tirar fotografia de dentro
De dentro da gente
Não. Não estou sendo exigente
Eu me incluo neste entrementes
Vamos revelar o que

Está dentro da gente.

A MARCHA DO AMOR


Ei ande ligeiro.
Ande ligeiro.
É preciso chegar
Cedo para amar.

Ei ande devagar.
Ande devagar.
É preciso pensar
(Em como amar).

Ei se aproxime um pouco.
Se aproxime um pouco.
É preciso amar
(Amor preciso de achego).

Ei sinta o peito.
Sinta o peito.
É preciso saber direito
Se o amor ainda
Está no lado esquerdo.

Ei, Ei!
Ande mais devagar,
Respire,
Sinta as pessoas,
Diga Bom dia!
Sorria!

Sinta o peito
Procure saber
Se o amor
Ainda pulsa direito.

Ei, Ei!
Ande ligeiro
Ande ligeiro
É preciso amar
(O amor sempre tem pressa)



É preciso amar!

MEUS PÁSSAROS DO AMOR

Bem-te-vi
Bem-te-vi.
Tô fraco...
Tô fraco...

Tô fraco...

sábado, 19 de novembro de 2016

TENHO INVEJA


Tenho inveja do poeta
Que fala da dor e da cor
Com afinidade e frescor.

Tenho inveja do inteligente
Tenho inveja do artista
Do ator e do compositor
Tenho inveja do pintor
E do escultor que esculpe belezas
Eternizadas pessoais funcionais
Que fala sem som tudo de bom.

Tenho inveja de TODOS
Os que fazem a vida bela.

Tenho inveja e não me envergonho
De beber da fonte de TODOS
Os que fazem melhor a vida
Digna de ser vivida.

Tenho inveja do ar
Do mar
Do luar
Do sol

Tenho inveja de TUDO
O que põe a vida
Dentro de uma moldura
Linda de ser vivida.

Tenho inveja do amigo
E do amante que torna
A vida um romance.

Tenho inveja de TODOS os que fazem a vida melhor.

Tenho inveja da alegria
E da sinfonia
E da harmonia
De tudo o que dá
O bom tom pra a desordem do dia.

Tenho inveja de TUDO
Que faz a vida bela de ser vivida.

Tenho inveja da cor
Da flor
Do frescor do ar
Da luz
Da cruz de Jesus
Que me deu vida
Digna de ser vivida.

Tenho inveja de gente
Que faz a gente querer
Ser melhor ente.

Tenho inveja de TODOS
Os que fazem a vida
Uma sinfonia de alegria.

Tenho inveja do ciclista
Do equilibrista
Que equilibram a vida
Com a alegria dos momentos
Sincronizados, eternizados, apaixonados.

Tenho inveja do eletricista
Que traz luz à vida
Na noite escura
Dura de ser vivida às vezes.

Tenho inveja do fotógrafo
E de quem sabe eternizar
O momento…

Tenho inveja do Professor
Facilitador
E do doutor que é médico
Que cura a dor
Que junta os pedaços e devolve
Alegria a quem só teria dissabor.

Tenho inveja de TODOS
Os que fazem a vida melhor.

Um brinde a TODOS
Os que fazem a vida melhor.

Tenho inveja do senhor
Do menino e da menina
E da senhora
Que faz a vida correr branda
Sem se perceber a hora.

Tenho inveja de quem produz
Picolé, sorvete, doce
Que faz a vida
Palatável com gestos simples.

Tenho inveja da sanidade
E da passividade (inteligente)
E da cumplicidade
E da fraternidade.

Tenho inveja de TUDO
O que faz a vida melhor.

Tenho inveja da fauna
E tenho também da flora
Que adornam o mundo lá fora.

Tenho inveja da voz
E do silencio dito em seu tempo.

Tenho inveja de gestos nobres
De delicadezas e gentilezas
De falar asneiras (de vez em quando)
De celebrar baboseiras (é bom às vezes).

Tenho inveja de andar
De correr, parar, recomeçar
Tenho inveja de dormir e acordar.

Tenho inveja de TUDO
E de TODOS
Que sabem fazer
A vida melhor.

Tenho inveja de você
Que sabe tanto me querer
E me dizer o que é bom
Pra eu saber.

Tenha inveja de gente
Que quer tudo o melhor
Pra gente.
Tenho inveja de gente descente.

Tenho sofreguidão
Ambição
Ganância
E ânsia
Cupidez por TUDO
E por TODOS
Que fazem a vida melhor.

Tenho inveja de quem agradece
De quem reconhece
Que TUDO de bem
E TODOS de bem
Vêm das mãos de Deus
O provedor do bem.


Um brinde a Deus por tudo de bem!